Quem sou eu

Minha foto
O meu inicio na meditação se deu através de um livro do monge zen budista, Thich Nath Han - Para Viver em Paz-Editora Vozes, Thich Nhat Han já foi indicado ao Premio Nobel da Paz, ele é minha grande fonte de inspiração para as praticas meditativas. Meu foco são as meditações dinâmicas que podem ser aplicadas na vida cotidiana por isso são descritos vários tipos de práticas. As práticas meditativas transformaram minha vida e hoje sou mais centrado e feliz, consegui também frear e diminuir muito meus pensamentos. Praticante há muitos anos de práticas meditativas, através da Sociedade Budista do Brasil tive contato com monges de outros países onde pude desenvolver mais a minhas práticas. Participei em 2004 de um retiro de meditação com monges do Monastério do Thich Nhat Han. Em 2013 me tornei professor de meditação. As praticas meditativas devem ser incluídas paulatinamente em nossa vida diária como estilo de vida, a Plena Atenção ensinada por Buda pode ser vivenciada em qualquer lugar ou situação.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

MOMENTO ZEN 16ª Edição



Editor Mario Nigri Iampolschi



   

        
                    

Mario Nigri Iampolschi


LEI DA  IMPERMANÊNCIA

Caros amigos leitores, tudo no mundo é impermanente, assim disse o Buda, então se tudo é impermanente a boa noticia é que os obstáculos também são.

Umas das causas de nossa falta de persistência em realizarmos nossos sonhos é que o obstáculos cruzam nosso caminho pois fazem parte da impermanência da vida, então eles nos dizem:

- está vendo!  você não pode continuar, você é fraco,  eu sou mais forte que você...

As pessoas que levantam e não se deixam abater pelos obstáculos são  vencedoras na arte de viver.


.



                                   

    ABRAHAM LINCOLN


Fonte


Esse homem foi provavelmente o maior exemplo de persistência. Se você quer saber sobre alguém que nunca desistiu não precisa procurar muito. Nascido na pobreza, ele encarou a derrota durante toda a sua vida.

Perdeu oito eleições, faliu nos negócios duas vezes e teve um colapso nervoso. Ele poderia ter desistido em muitas ocasiões mas como ele não fez isso ele se tornou o maior presidente na história dos Estados Unidos.

Ele era um campeão. Ele nunca desistiu.  Aqui está um esboço de seu caminho até a Casa Branca.
.
1809 - Ano de seu nascimento
1816 - Sua família foi obrigada a mudar para outra fazenda ele teve que começar a trabalhar para ajudá-la.
1818 - Sua mãe morreu.
1831 - Faliu nos negócios.
1832 - Foi candidato à legislatura estadual - Perdeu.
1832 - Perdeu o emprego.
1833 - Pediu dinheiro emprestado de um amigo para abrir um novo negócio e faliu. Passou 17 anos pagando a dívida.
1834 - Concorreu novamente à legislatura estadual. Desta vez ganhou.
1835 - Ficou noivo mas a noiva morreu. Entrou em depressão.
1836 - Teve um colapso nervoso total e ficou seis meses de cama.
1838 - Tentou ser porta-voz da legislatura estadual - derrotado.
1840 - Tentou o cargo de eleitor. Derrotado.
1843 - Concorreu ao Congresso. Perdeu
1846 - Concorreu ao Congresso novamente e dessa vez ganhou. Foi para Washington e fez  um bom trabalho.
1848 - Concorreu à re-eleição ao Congresso - perdeu.
1849 - Tentou ser Oficial da Terra em seu estado natal.  Rejeitado
1854 - Concorreu ao Senado. Perdeu.
1856 - Tentou ser nomeado candidato a vice-presidente na convenção nacional do seu partido. Teve menos de 100 votos.
1858 - Concorreu ao Senado novamente. Perdeu
1860 - Foi eleito PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS.
.

FRASES DE ABRAHAM LINCOLN:

"Não te esqueças que os estranhos são amigos que ainda não conheces".


"Quando pratico o bem, sinto-me bem; quando pratico o mal, sinto-me mal. Eis a minha religião".

"Quase sempre a maior ou menor felicidade depende do grau de decisão de ser feliz".
"Nunca devemos mudar de cavalo no meio do rio".



 

Mario Nigri Iampolschi


OS DOIS LADOS DA MOEDA

Temos a tendência de enxergarmos apenas uma face da moeda, a do fracasso, mas se pudermos ver que do outro lado da moeda existe o sucesso,  então podemos enxergar o caminho, a vida é assim, não existe outra maneira de realizarmos nossos sonhos, não existe uma varinha mágica,  Buda nos ensinou a enxergarmos a realidade da vida como ela é, ele nos ensinou que a nossa felicidade depende de nós mesmos, assim como o sucesso da prática.

Um dos mais difíceis obstáculos é a nossa própria mente, e não os acontecimentos da vida, o grau de dificuldade de um problema é a forma como os enxergamos e lidamos com eles, se enxergarmos através deles podemos superá-los, estaremos enxergando a outra face da moeda, "todos os problemas tem solução se não tiverem solução não são problemas" .

Uma das formas que nós budistas utilizamos para não sofrermos com os altos e baixos da vida é a plena atenção, observamos também a impermanência de nosso ciclo natural de altos e baixos  sem nos apegarmos a eles, procuramos ver a realidade nua e crua que só é nos revelada se estivermos por inteiro no momento presente, pois quando estamos presos aos acontecimentos do passado achamos que os fracassos poderão ocorrer de novo, quando estamos pensando no futuro também não estamos enxergando a realidade, pois como tudo na vida está em constante mudança, não temos como saber o que vai acontecer daqui para frente, você pode marcar um encontro com os amigos e até planejar o que vai fazer no dia, mas como seu corpo também é impermanente, você poderá sentir-se mal e não comparecer a reunião, então de novo você gastou  energia pensando no futuro e deixou de curtir o momento presente que é o único momento que existe para podermos caminhar rumo ao nosso sonho, se estamos acordados no aqui agora poderemos ter o sucesso mas se estamos dormindo fora do aqui agora, então o sonho dificilmente se realizará  pois é um sonho de quem está dormindo...
  
As vezes brigamos com a vida , nos zangamos com ela, paremos de brigar com a vida ao invés disso nos tornemos o seu melhor amigo, assim a vida como uma grande amiga, nos dará o melhor dela, reflitam sobre isso, não esqueçam a vida só é real no momento presente, por isso devemos estar totalmente presentes para ela, esvaziando nossa mente  podemos curtir nossa melhor amiga, se conseguirmos 
amá-la então isso será o verdadeiro paraíso, não precisamos morrer para encontrarmos o paraíso. 


Podemos deixar os pensamentos serem gerenciados pela nossa consciência armazém, deixarmos o futuro ser cuidado por ela conforme vimos na edição anterior, assim sobra mais energia para vivermos a vida plenamente.

clique abaixo 15ª edição (veja parte ll)
http://momentozenmario.blogspot.com.br/2012/04/momento-zen-15-edicao-parte-i.html 

Ao usarmos nossa consciência mental com pensamentos e preocupações gastamos a energia que é a mesma que poderia estar sendo usada para vivermos com prazer e felicidade o momentos presente, vimos que os problemas continuam sendo trabalhados dentro de nós na consciência armazém, ela é como uma secretária nossa cuidando dos nossos assuntos e nos liberando para vivermos a vida , as grandes descobertas foram realizadas quando os pensadores deixaram de lado o problema  por algum tempo e foram descansar, então as respostas vieram subitamente para eles através da consciência armazém, onde está armazenada toda nossa sabedoria desta vida e das anteriores conforme o ensinamento do renascimento, o próprio Buda antes de sua iluminação teve várias vidas onde foi crescendo espiritualmente até chegar a sua última como ser humano.

Nossa energia é como uma moeda que usamos para adquirir nossa paz de espírito, amor, compreensão,  você não gostaria de gastá-la com preocupação, sofrimento, ansiedade, porque então ela pode lhe faltar para que você possa adquirir a verdadeira felicidade que só é encontrada no aqui e agora.



                                                                            NAMASTÊ

                                                      

domingo, 1 de abril de 2012

MOMENTO ZEN 15ª EDIÇÃO

15ª EDIÇÃO PARTE I

Autor Mario Nigri Iampolschi

momento.zen.mario@hotmail.com


         
SEGUE COMPLEMENTO

COMO FUNCIONA A NOSSA MENTE - MOMENTO ZEN PARTE II 

     


                  
                                                     
                                          O RETIRO DE PLENA CONSCIÊNCIA 
Realizado sob a orientação do Abade Thay Phap Dang e do Irmão Phap Nhan do Maple Forest Monastery com sede em Vermont (USA) que faz parte do conjunto de Monastérios do mestre zen Thich Nhat Hanh.



                                        Abade Thay Phap Dang e Irmão Phap Nhan  


Mario Iampolschi

                                                                
Num retiro que fui no ano de 2004 ministrado pelos monges do Monastério do mestre Thich Nhat Han , o monge Phap Nhan do Maple  me falou que o Thay (Thich Nhath Han, carinhosamente como ele é chamado) disse que sabemos se nossa prática está correta  quando sentimos prazer em vivenciá-la.

O Buda criou  vários tipos de meditações, para  diversos tipos de temperamentos.

Esse ensinamento de nos sentirmos bem pode ser aplicado a qualquer prática na nossa vida diária.

Os filmes "O Segredo" e  "Quem Somos Nós"  focam nesse tema e também e dão muita importância a nos sentirmos bem para realizarmos nossos sonhos.

                                                                 
                         
Mario Iampolschi



A BÚSSOLA INTERIOR   

Existe em nós uma bússola interior chamada emoção, quando essa emoção nos causa um sentimento negativo significa que não estamos agindo conforme o caminho que desejamos trilhar, nos sentimos mal. 
É realmente nossa alma que nos indica o caminho correto, quando não estamos nele ela nos manda esse aviso.
Então podemos mudar o rumo para um caminho que nos traga prazer e felicidade, a meditação e os ensinamentos do Buda são um desses caminhos que podemos seguir.  

Por isso dê mais importância a sentir-se bem por dentro, seguindo sua bússola interior, não se deixe levar pelas condições externas.

A verdadeira felicidade vem de dentro, de nossa alma e não dos eventos externos, esses são impermanentes e ilusórios.

Ao voltar para casa depois de ter tido uma ótima noitada com seus amigos, essa condição acabou e você não estará tão feliz como antes. Se você ficar pensando "como foi bom" você estará no passado, mas se você chegar em casa e tomar um delicioso café, assistir um bom filme, ou apenas desabar na cama  relaxadamente, então você estará criando a felicidade no momento presente que é o único momento que temos para sermos felizes.

            
                                        
Na palestra que antecedeu o retiro budista, o Abade Thay Phap Dang , iniciou a palestra dizendo :

"Vocês não são felizes porque não vivenciam o momento presentequando vocês tomam uma xícara de café vocês devem sentir o aroma, o sabor , estarem totalmente atentos ao café com a mente voltada para o momento presente".


       
                          
                                                

Ele ficou impressionado com nós brasileiros quando estamos assistindo futebol,  como ficamos felizes e focados no momento presente.

Quando  beijamos a pessoa amada nós também estamos focados no momento presente, nós  fechamos os olhos  e mergulhamos nessa experiência.

A meditação faz parte da vida, viver com prazer no momento presente, essa é a essência do estilo de vida que o Thay nos ensina. 

Só quando não estamos pensando no passado e futuro é que podermos vivenciar esse ensinamento, o simples fato de nos concentrarmos no momento presente nos pode gerar muito prazer e felicidade.

As técnicas meditativas não devem ser feitas de forma mecânica, a intenção de praticá-las é de podermos superar nossos obstáculos mentais e vivenciarmos o momento presente com plenitude e prazer.

A meditação deve ser praticada não só o pouco tempo que você senta, mas sim ser vivenciada em nossa vida diária, isso é o aprendi com o Thay. 

Quando estamos meditando sentados  nós focamos nossa mente em nossa respiração,  quando vem um pensamento nós observamos sem nos envolvermos com esse pensamento e voltamos de novo à atenção a nossa respiração, quantas vezes vierem os obstáculos mentais, esse é o  "pulo do gato"... assim não só sentando mas em nossa vida diária podemos praticar o retorno a felicidade do momento presente.  

Se você estiver em qualquer lugar perturbado com seus medos, anseios, dúvidas, preocupações, então você se volta para sua respiração consciente e observa esses sentimentos sem se envolver com eles, você sabe que eles são passageiros (Lei da Impermanência), então você volta a sentir o ar entrando e saindo. 


Outra técnica é mentalizarmos um mantra de livre escolha como exemplo AMOR ao inspirar e LUZ ao expirar. 

Podemos  também contar de dez a  um ( quando inspiramos mentalizamos um e expiramos mentalizamos junto com a respiração o número dois vamos até o número cinco ou dez e quando chegarmos no dez voltamos até o número um de novo, façam isso conforme o Thay nos ensina, da maneira que se sentirem melhor, mentalizar números quebra  a  cadeia de pensamentos que são feitos de palavras, números não estão associados a sentimentos, essa é a vantagem.  

Quando participei de uma meditação no Templo Budista feita por um monge da tradição dos monges das florestas da Thailândia,  a meditação orientada por ele era  sentar e apenas mentalizar a palavra BUDO (Buda), ao inspirar mentalizamos a sílaba BU e expirar DO apenas isso até o final da sessão.

Podemos criar também uma âncora para nos lembrarmos de estarmos no momento presente, eu criei para mim uma  que consiste em apenas sentir o toque dos lábios. A maior  parte do tempo estamos com a boca fechada, sentindo esse toque, você cria uma concentração, então assim você pode asssistir tv, andar, trabalhar, faz tudo como sempre fez naturalmente sem mudar nada.  Outra vantagem é que só resta um lugar para você sentir o ar  entrando  saindo, o nariz, então você pode juntar as duas concentrações. 

Você pode sentir bem apenas uma respiração para  sentir bem, experimente isso:







puxe o ar profundamente sorrindo com o maior prazer que você consiga sentir e solte com um ahhhh prazeroso. 

Outro tipo de mantra que podemos usar é o LAR-CHEGUEI, inspiramos sabendo que estamos em nosso verdadeiro lar,  nossa alma, expiramos sabendo que já chegamos e estamos no momento presente e temos todas as condições para sermos felizes.

Tudo que está fora de nosso lar verdadeiro de nossa alma, pode nos causar sofrimento, pois tudo está sujeito à Lei da Impermanência, pessoas, nossos bens materiais, nosso trabalho, eventos da natureza, nosso único bem que não pode ser destruído é nossa alma, por isso não se culpe se estiver infeliz com que está do lado de fora, isso é inevitável, mas o que está dentro de nós é de nossa responsabilidade.

A Lei da Impermanência não traz só sofrimento, traz esperança também.

Se um amigo seu por alguma condição deixa de entrar em contato durante algum tempo, ele pode voltar assim que essa condição melhorar. 

Se hoje você não está bem de saúde, não está bem com você mesmo, está solitário, todas essas condições são impermanentes,  estão sujeitas a mudanças, pensem, depois de algum tempo essas condições podem melhorar, então porque devemos dar tanta atenção a elas.      
                           
Como praticantes  podemos treinar para olhar para todas as coisas como formações mentais. Nós sabemos que todas as formações estão em constante mudança todo o tempo.

A impermanência é uma das marcas da realidade da vida.

     
                                
                                   
                       
                                                      
                                          
                                                    

                                                  HORA DA PRÁTICA


A meditação e os ensinamentos budistas são para serem sentidos pelo coração, pela alma, o intelecto é apenas como um barco que você utiliza para atravessar o rio do conhecimento, quando você chega na outra margem,  você não vai ficar carregando ele nas costas, você abandona o barco e segue seu caminho do conhecimento e da prática.

Vocês não precisam acreditar nesses ensinamentos porque  eles só serão verdadeiros para vocês se vocês conseguirem  vivenciá-los no dia-dia.

No filme Karatê Kid,  o mestre pede ao discípulo para lavar carros, pintar cercas, e o discípulo se revolta achando que isso não tem nada a haver com a luta.

Depois de ter praticado muito o mestre aplica os golpes de karatê no discípulo e o ensina se defender com os movimentos de pintar a cerca, lavar o carro....

A meditação é isso, você pode achar que nada disso faz sentido  e perder a oportunidade de torná-la parte de sua vida  como  amiga fiel que  estará com você nos momentos mais difíceis, lhe aconselhando, ensinado, amparando e estará também nos momentos mais felizes de sua vida como uma querida amiga.



Saber não é fazer:

Respondam agora :

Quantos outros ensinamentos vocês conhecem?

Lembrem-se agora:

Quantos desses ensinamentos vocês vivenciam na vida cotidiana, na hora em que você mais precisam ?

Nesses momentos vocês fazem o que sabem ?

Se as repostas apontam para saber mais do que fazer, abandonem o barco e sigam o caminho.

No budismo chamamos isso de "matar o Buda", o  próprio conhecimento quando fica apenas na área do intelecto gera mais pensamentos criando obstáculos e distrações mentais, que nos desviam do caminho.

Só quando vocês abandonarem  o barco (intelecto), e seguirem o caminho (a prática) em que acreditam é que poderão desfrutar da verdadeira felicidade, aquela que vem da alma.

_______________________________________________________________________________





PARTE II







Caros amigos leitores leiam com calma, façam pequenas pausas para que possam assimilar a leitura, e associá-la a fatos vivenciados em suas vidas .






COMO FUNCIONA NOSSA MENTE


 
                                                                      
                                                                
Thich Nhat Han 
  
O Thay nos ensina que a felicidade é um hábito que pode ser praticado, ele não fala isso da boca para fora, tanto o Thay como os monges de seu monastério e outros monges que tive o privilégio de conhecer, realmente passam essa felicidade, geralmente eles sorriem muito, possuem um amor, uma energia de muita paz, de onde vem essa felicidade?  

Para sermos realmente felizes precisamos conhecer o funcionamento de nossa mente.



Fonte:  Thich Nhat Han "Corpo e Mente em Harmonia" 


Nesse livro ele explica que quando você aprende algo pela primeira vez você usa a consciência da mente para aprender, e depois de algum tempo isso se torna um hábito, aí a consciência da mente não precisa estar mais atenta, ele nos diz que no budismo são classificados  quatro consciências:



                                     
                                                                                                         

                                   
                
Consciência da mente 

É a que consome mais energia  , faz julgamentos , planos, se preocupa, analisa, (...vocês já se sentiram cansados por pensarem demais ?) o corpo faz parte dela, a mente não pode se manifestar sem um corpo, o cérebro que consome 20% da energia do corpo, pensamento, preocupação e planejamento são processos que consomem muita energia (como podemos ser felizes assim).

                                                        
Consciência dos sentidos 

Visão, audição, tato, paladar e  olfato
                                


Consciência armazém (consciência raiz)

É a mais profunda,  é o lugar onde todos os tipos de sementes e informações são mantidos.
                  
Tudo que fazemos  e tocamos possui uma semente que fica no fundo da consciência, ela armazena toda informação do passado, dos nossos antepassados,e  toda informação recebida através de outras consciências.

Quando ouvimos um canto de um pássaro nossa orelha e a musica se juntam fazendo vibrar a consciência armazém, essa , uma nova semente cai no continuum do armazém.
                                   
A consciência armazém recebe, armazena, preserva as informações e também as processa. O trabalho de processamento nesse nível não é dispendioso, a consciência armazém não gasta muita energia como por exemplo a consciência da mente.

A consciência armazém  pode processar essa informação sem muito trabalho, então se você deseja  economizar energia  não pense muito, não planeje muito deixe a  consciência armazém fazer a maior parte do trabalho de processamento. 

A consciência armazém trabalha na ausência da consciência da mente ela pode fazer muitas coisas, ela pode fazer planejamentos, tomar muitas decisões sem que você saiba disso.

Quando nós vamos a uma loja de departamentos e procuramos um chapéu ou uma saia , temos a  impressão  de que possuímos livre arbítrio  para escolher o que quer que desejamos, se o vendedor nos questiona sobre o que desejamos, podemos apontar ou verbalizar o objeto de nosso desejo, usando nossa consciência da mente para para selecionar as coisas e gostamos.  Mas isto é ilusão, tudo já foi decidido na consciência armazém.  No momento que somos abordados, não somos pessoas livres, nosso senso de beleza de gostar ou desgostar já foi decidido de forma precisa e muito discretamente no nível da consciência armazém.


Sermos livres é uma ilusão, o grau de liberdade que nossa consciência da mente possui é muito pequeno, a   consciência armazém  determina diversas coisa que fazemos , porque ela continuamente recebe, acolhe, mantém, processa e decide sem a participação da consciência da mente.  Mas se sabemos sobre a prática podemos ajudar a influenciar a forma como nossa consciência armazém guarda e processa informações, para que ela tome as melhores decisões. Nós podemos influenciar a consciência armazém.

Quando você está próximo a um grupo de pessoas apesar de querer ser você mesmo, você está consumindo as coisas delas, está consumindo a consciência armazém das pessoas do grupo.

Nossa consciência é alimentada por outras consciências. A forma como tomamos decisões, o que gostamos e desgostamos, depende da maneira coletiva de enxergar as coisas.

Você pode achar que algo não é bonito, mas se muita gente acha, então lentamente você acaba achando que a coisa é bonita também, porque a consciência individual é constituída a partir da consciência coletiva.

O valor do dólar é formado do pensamento coletivo das pessoas e não somente de elementos econômicos objetivos.   Medos, desejos, expectativas das pessoas fazem o preço do dólar aumentar ou cair.  Somos influenciados pela forma coletiva de visão e de pensamento,  por isso é muito importante nos cercarmos de pessoas que possuem bondade amorosa, compreensão e compaixão, porque dia e noite somos influenciados pela consciência coletiva.

A consciência armazém nos oferece iluminação e transformação, é como um jardim onde podemos plantar frutas , legumes, hortaliças, que poderão crescer, a consciência da mente é apenas o jardineiro.    
                                                     
       
        
                                                                                     
Um jardineiro pode ajudar a tomar conta da terra, mas o jardineiro tem que acreditar na terra, que ele pode oferecer frutas , legumes e hortaliças. 

Como praticantes nós não podemos confiar apenas na consciência da mente, temos que confiar em nossa consciência armazém, porque as decisões são tomadas lá em baixo.

Imagine que você digita uma coisa no computador e esta informação é armazenada no hard drive, ele é como a consciência armazém, apesar da informação não aparecer na tela da ele está lá, você só precisa clicar .

As bijas, as sementes na consciência armazém  são como as informações que você armazena no seu computador, se você quer você clica  e ajuda a informação a aparecer na tela da consciência da mente, essa mantém, armazena e preserva informações para que estas não possam ser apagadas.

Diferentemente de informações no hard drive, todas as sementes são de natureza orgânica podem ser modificadas.

A semente do ódio pode ser enfraquecida e sua energia pode ser transformada em energia de compaixão, a semente do amor pode ser fortalecida, a natureza da informação está sempre sendo mantida e processada pela consciência armazém está sempre fluindo e mudando, o amor pode se transformar em ódio, ódio pode se transformar novamente em amor.

A consciência armazém também é vitima, ela é objeto do apego, ela não é livre.

Na consciência armazém há elementos de ignorância, ilusão, medo, ira, e esses elementos constituem uma força energética que agarra e que deseja possuir.


Esse é o quarto nível de consciência chamado Manas.

                                                 
                                                             


Consciência Mana

Essa consciência possui raízes na na crença de um eu separado, na crença em uma pessoa.

Essa consciência, o sentimento e o instinto chamado eu sou, está profundamente arraigado na consciência armazém. Não é uma visão apreendida pela consciência da mente.
    

A idéia de que há um eu separado de elementos não eu está intensamente assentada nas profundezas da consciência armazém.

A função da consciência Mana é aderir a consciência armazém como um eu separado.

Manas está funcionando o tempo todo, nunca abandona a consciência armazém, estão sempre envolvendo, aderindo ou grudando na consciência armazém.

Manas acredita que a consciência armazém é seu objeto de amor. Essa é a razão para a consciência armazém não ser livre.Há uma ilusão que a consciência armazém sou “eu” de que ela é minha amada, de tal forma que não posso deixar que ela se vá. Dia e noite há um segredo, uma profunda cogitação de que isto sou eu e que isto seja meu..
   

Mana nasce e se enraíza na consciência armazém, abraçando esta como um objeto: “você é minha amada, você sou eu”. A função da consciência mana é se apropriar da consciência armazém como algo seu. 
  


Como as quatro consciências interagem

A consciência armazém é como um oceano e as outras consciências são descritas como ondas crescendo do oceano, há um vento e esse vento provoca manifestação das outras consciências.

A consciência armazém é a origem, a raiz, desta base a consciência da mente se manifesta e funciona. Algumas vezes ela resolve descansar e vai para casa, para consciência armazém. Desta forma a consciência armazém é o jardim e a consciência da mente o jardineiro.


A consciência mana também surge da consciência armazém mas ela acaba se virando e envolvendo a consciência armazém como algo que é de sua propriedade, como um objeto de amor, por isso ela é chamada de a amante.

Quando você se apaixona por alguém, você não se apaixona realmente por essa pessoa. Você cria uma imagem que é consideravelmente distinta da realidade. Depois de conviver com esta pessoa por um ou dois anos, você descobre que a imagem que possui deste alguém é um tanto diferente da realidade.

A pesar da consciência mana nascer da consciência armazém, o modo dela olhar para consciência armazém é repleto de ilusões e de percepções errôneas.
Quando usamos uma câmera para tirar foto de alguém, a foto é apenas uma imagem, não é a pessoa. A consciência mana pensa que ama a consciência armazém, mas na verdade ama apenas a imagem que criou.

Um objeto de consciência pode ser tanto a coisa em si quanto a representação que você subjetivamente constrói dela.

A consciência da mente pode ser interrompida, quando dormimos sem sonhar a consciência da mente não está trabalhando. Quando estamos em coma a consciência da mente para totalmente de funcionar e há concentrações profundas que a mente pára totalmente de funcionar contudo a consciência armazém continua operando. Na meditação profunda caminhando pode ser assim, seu corpo está em movimento e a sua consciência nem se dá conta disso.

A consciência da mente pode também funcionar independente da consciência dos sentidos ou as duas podem trabalhar em cooperação uma com a outra.

Imagine que você é convidado para uma exposição. Parado, em frete aos quadros, a consciência dos olhos esteja olhando para a obra sem nenhum pensamento. Num primeiro momento, talvez, a consciência dos olhos esteja olhando para a obra  sem pensamento e nenhum julgamento. Mas pôr e retirar os olhos do objeto dura um pequeno momento. Muito rapidamente, as experiências avançam e a consciência da mente sugere todos os tipos de avaliações, julgamentos e coisas desse tipo. Aí a cooperação entre a consciência da mente e consciência dos olhos. 

Quando a consciência da mente funciona junto com a consciência dos sentidos recebe o nome de consciência associativa.
                                                        
                                                           

Na meditação , você usa, normalmente a consciência da mente independente. Nós fechamos os olhos, ouvidos, não queremos se perturbados  pelo que vemos e ouvimos. A concentração está sendo realizada somente pela consciência da mente.  

                                        
     
Há momentos também que a consciência dos sentidos funciona em colaboração com a consciência armazém sem que chegue à mente. É engraçado, mas ocorre muito frequentemente. Quando dirige seu carro, você possui condições de evitar diversos acidentes, mesmo que sua consciência esteja pensando em outras coisas. E, ainda assim, a maior parte do tempo, pelo menos, você não se envolve em um acidente.

Quando você anda, raramente tropeça. Isso ocorre porque as impressões e imagens fornecidas pela consciência dos olhos são recebidas pela consciência armazém e decisões são tomadas sem que nunca cheguem à consciência da mente.

Se alguém está prestes a bater em você, ou cair em cima de você, você reage rapidamente.
Esta reação rápida, decisão, não é feita não é feita pela consciência da mente. Se você tem que fazer manobras rápidas , não é a consciência da mente que a faz. Nós não pensamos; "Oh,há uma pedra, desta forma tenho que saltar". Apenas pulamos a pedra. Esse instinto de autodefesa advém da consciência armazém.

No quarto frio, à noite, mesmo que não esteja sonhando e a consciência da mente não esteja funcionando , nós permitimos que a consciência dos sentidos colabore com a consciência armazém, a sensação de frio penetra pelo corpo, isto faz uma vibração na consciência armazém e seu corpo move o cobertor para cobrir você.

Esteja você dirigindo, operando uma máquina ou fazendo outras tarefas, nós permitimos que nossa consciência dos sentidos colabore com nossa consciência armazém, que nos possibilita realizar várias coisas sem a intervenção da consciência da mente.

Quando trazemos a consciência da mente para esse trabalho, então repentinamente podemos nos dar conta das formações mentais que estão sendo levantadas.

A palavra formação significa algo que se manifesta quando muitas condições estão reunidas.
                                              
                                                  
Quando olhamos para uma flor, podemos reconhecer muitos elementos que foram reunidos para fazer com que se manifestasse dessa forma. Sabemos que, sem chuva não haveria água, e a flor então não poderia se manifestar. E podemos ver que a luz do sol também está presente. A terra, o adubo, o jardineiro, tempo espaço e muitos outros elementos se juntaram para ajudar esta flor a se manifestar.

A flor não possui uma existência separada;   uma formação . O sol, a lua e o rio, todos são formações. Ao usar a palavra formação nos lembramos de que não há existência central separada na coisas. Há apenas um combinar de muitas, muitas condições pra que alguma coisa se manifeste.